Coronavírus: entenda como a pandemia afeta os festivais de música no Brasil e o posicionamento do Mapa dos Festivais

Entenda a importância do adiamento dos eventos e saiba quais festivais já tiveram as datas alteradas

O número de casos de pessoas infectadas com o coronavírus no Brasil, no dia de hoje, 13 de março, já passa de 100, sendo quase metade deles em São Paulo. Na última quarta-feira (11), a OMS declarou que estamos vivendo uma pandemia e pediu para que todos os países redobrem o comprometimento contra proliferação do vírus. Na China, os casos confirmados já ultrapassam 80 mil e mais de 3 mil mortes já foram registradas. Na Itália, o número de infectados ultrapassa os 10 mil e os hospitais estão lotados.

Com o aumento exponencial do número de casos e, consequentemente, com uma possível piora do quadro, a indústria do entretenimento vem sofrendo seus primeiros baques com uma série de turnês e festivais sendo cancelados ou adiados. O mundialmente conhecido festival de música e tecnologia SXSW não vai acontecer pela primeira vez em 34 anos desde a sua estreia. O festival Coachella foi adiado para outubro, assim como o Stagecoach. O Tomorrowland, maior festival de música eletrônica do mundo, cancelou sua edição de 2020, assim como o festival Ultra Music. O Korea Times adiou sua edição, mas ainda não revelou para quando. O festival Lollapalooza adiou suas edições na Argentina e no Chile e, ao que tudo indica, o mesmo acontecerá com a edição brasileira do festival, programada para abril.

Falando em Brasil, por aqui já foram adiados 5 festivais e conferências de música. O festival de música eletrônica Afterlife em São Paulo foi adiado para o mês de Dezembro e o Carambola, em Maceió, terá uma nova data divulgada em breve. A conferência WME e a Startup Weekend Music&Arts também tiveram suas datas adiadas. A conferência WME, que estava programada para acontecer no final de março, foi adiada e ainda não divulgou uma nova data. A 9ª edição do Festival de Música em Trancoso na Bahia teve todas as suas atividades canceladas  e o Festival Lamat, que acontece no feriado de páscoa na Chapada Diamantina teve sua programação reduzida. 

Comunicado da WME Conference

Mas por que festivais e eventos estão sendo cancelados e qual a importância dessa medida nesse momento?

É simples: o problema não é letalidade do vírus e sim o seu rápido contágio. Esse é o melhor vídeo da internet para entender a eficácia do isolamento para o vírus não se espalhar:

É muito importante que medidas de prevenção e campanhas de conscientização ao combate do COVID-19 sejam desenvolvidas pelo governo. A Itália demorou a agir nesse sentido, por isso o vírus mostrou um crescimento exponencial assustador e só melhorou depois do governo italiano ter aumentado as medidas de contenção para que as pessoas não tivessem contato com outras infectadas. Isso é algo de extrema importância e mostra que o correto é tomar medidas preventivas desde o início, antes que seja tarde. 

Aqui no Brasil, ainda não temos uma medida definida de contingência para eventos públicos. Cada estado está lidando de forma diferente. No Distrito Federal, o decreto do governador Ibaneis Rocha proíbe qualquer aglomeração com mais de 100 pessoas até o dia 16/03. Os eventos foram cancelados, assim como as aulas na rede pública. 

O governo do estado de São Paulo, estado com o maior número registrado de casos de coronavírus no país – e o maior com cadastros de festivais no Mapa (dos 215 festivais, 48 deles acontecem em São Paulo) – declara ainda não ser necessário cancelar eventos públicos, em comunicado realizado no dia 12 de março, orientando que só pessoas com mais de 60 anos   não compareçam a lugares com grande aglomeração de pessoas. 

A decisão pode mudar a qualquer hora, mas se levarmos em consideração o que aconteceu na Itália, evitar a realização de eventos é a medida de controle mais eficaz para o vírus não se espalhar. Apesar do impacto econômico negativo para festivais, artistas e casas de espetáculo ser inestimável no momento, deixar o vírus se expandir pode ser ainda pior.

O POSICIONAMENTO DO MAPA DOS FESTIVAIS

O Mapa dos Festivais nasceu com a missão de ser o maior buscador de festivais de música do Brasil, visando mostrar a pluralidade de todos os festivais que acontecem no nosso país bem como incentivar as pessoas a descobrirem o Brasil a partir dos eventos. 

Para nós, é uma tristeza imensa pensar que podemos passar por uma onda de adiamentos e cancelamentos dos festivais que amamos. Mas neste momento em que o vírus começa a se espalhar pelo país, queremos chamar a atenção dos frequentadores para tomarem os devidos cuidados e oferecer todo apoio aos produtores de festivais. 

Tomar a decisão de adiar um festival de música é doloroso e o prejuízo é altíssimo. Remanejar local, artistas, ingressos é o caos. E ter que ficar isolado, ao invés de ver seus artistas favoritos em uma experiência que só um festival de música proporciona é, no mínimo, frustrante. Nos solidarizamos com os produtores que estão tendo a coragem e a sensatez de adiar seus eventos visando a segurança do público – e da população em geral. Estamos vivenciando um momento ímpar, e pensar no coletivo é crucial para evitar que o vírus se espalhe de forma incontrolável. 

Quando o Mapa dos Festivais foi lançado, no finalzinho de Dezembro, ninguém poderia imaginar que o setor de música ao vivo e o de viagens seria um dos mercados mais impactados por uma pandemia. Compreendemos que, no momento atual, divulgar grandes concentrações de pessoas e estimular a circulação não é responsável. Por isso vamos usar a nossa plataforma nos próximos dias para informar sobre a real situação dos festivais de música no Brasil, sendo um canal de informação e de suporte para produtores, artistas e todos aqueles que amam festivais assim como nós. E é claro, seguindo na divulgação  a nossa música, que continuará sendo ouvida, a gente saindo de casa ou não. 

VEJA TAMBÉM

Compartilhe: